Somos alunos da Universidade Lusófona de Cabo Verde em São Vicente e criamos este blog por ocasião das Oficinas Sapo.Pretendemos levar a luz do dia os nossos problemas como estudantes, a nossa esperiência como Universitários, e muito mais....
28 de Fevereiro de 2010

Os Ata quizeram fazer uma entrvista à um musico de mindelense  para saber o seu ponto de vista sobre a música em são vicente

 

1.      Ata : Antes de mais os nossos leitores querem saber quem ês?

 

Neu: Chamo-me Emanuel Lopes, mas entre amigos e no meio artístico sou conhecido por Neu Lopes. Vivo aqui em São Vicente, trabalho na ASA há quinze anos e tenho tido um percurso artístico interessante, passando pela música de uma forma muito pessoal e pelo teatro em que já escrevi e ancenei quatro peças, tendo actuado em três delas. Tenho tentado recuperar o género musical em Cabo Verde (duas das minhas peças foram musicais). Estou a preparar um novo musical para 2011.

2.      Ata :Para ti, o que é a música?

Neu: Não é fácil definir de forma precisa e científica a música. Mas falando de uma forma científica e mais reduzida, pode-se dizer que música é a arte de combinar os sons simultânea e sucessivamente, com ordem, equilíbrio e proporção, dentro do tempo. Nisso teremos que falar de elementos importantes, entre as quais melodia (combinação dos sons sucessivos), harmonia (combinação de sons simultâneas) e ritmo (combinação dos valores tempo). Do ponto de vista emocional, não será errado dizer que a música é a arte de manifestar os diversos afectos de nossa alma mediante o som.

3.      Ata: O que tem a música no Mindelo?

 

Neu: A música no mindelo tem alma e tem história. Além do mais é uma música ímpar. Em São Vicente respira-se música. Além da sua vertente comunicativa, a música tem sido um dos percursores da nossa história, dos nossos hábitos e costumes, da nossa tradição, da nossa vivência social. A forma peculiar que os mindelenses têm de fazer, de viver e de vivenciar a música é muito por culpa da natureza cosmopolita dessa cidade. Mindelo, graças ao seu Porto Grande, foi uma cidade aberta para o mundo. As influências e fluências que temos recebido na nossa música vêm de vários cantos do mundo, passando por África, Antilhas (Mazurca, Zouk, etc.) da América Latina (Merengue, Cúmbia, Bachata, Bolero) e ainda de Portugal (sobretudo o Fado) e do Brasil (Samba, Choro, etc.). Até a forma de tocar tem muito a ver com essa vontade de abrirmo-nos a experiências novas que incluem o jazz e até outras influências nacionais como o Kolá e o Batuque. Referências dessa influência nos tempos que já lá vão são B. Léza (que introduziu um pouco da técnica brasileira, sobretudo do violão e do canto). A música de Cabo Verde começou a ser internacionalizada a partir do Mindelo, a bordo dos navios que atracavam no Porto Grande e que recebiam concertos em jeito de serenata, realizadas por mindelenses como o Tchuff que traduzia as letras do crioulo para o inglês.

Além do mais, a música do Mindelo tem tudo o que se espera – melodia, harmonia, poesia e muito ritmo. Mindelo é um a cidade de Morna e Coladeira, mas é também uma cidade do Carnaval e da Batucada. De realçar que Mindelo foi a primeira ilha de Cabo Verde com uma batucada própria, inspirada em ritmos como o Kolá, o Batuque e a Coladeira, descolando-se um pouco da Batucada brasileira. Tem ainda um manancial de grandes músicos, compositores, intérpretes e construtores de instrumentos. Os nomes são muitos e se começasse a mencioná-los, não sairíamos daqui hoje. Afinal, cada vez mais aparece músicos bons.

 

4.      Ata: Qual é a importância da música no Mindelo?

 

Neu: A música é o coração do Mindelo. Mindelo é uma cidade ritmada. Há momentos que é morna, há momentos que é Funaná. Seus habitantes vivem a música como se fossem a própria música. Se não houvesse música e teatro no Mindelo, São Vicente poderia cair no esquecimento desse país. Somos dez ilhas perdidas num canto do Atlântico que sempre foram desconhecidas até serem cantadas pelos quatro cantos do mundo pela voz de Cesária Évora, uma mindelense. Muitos são os músicos que são produzidos aqui no Mindelo, de Ti Goy a Boss AC, passando por vários nomes que enchem essa cidade de orgulho. As noites cabo-verdianas e músicos como Malaquias são importantes fontes de atracção turística. A música para nós do Mindelo é a paz cantada por Manuel d’Novas em “Êss País”. Mindelo foi e sempre será a cidade dos concertos, das serenatas, dos cantares de trabalho, do carnaval e do Festival da Baía das Gatas.

 

5.      Ata: Quem são as pessoas que contribuiram ou contribuem para o enriquecimento da música no Mindelo?

 

Neu: No Mindelo não é difícil fazer música. Toda a gente gosta e os ouvintes não faltam. Um artista faz música e sabe de antemão que vai ter sempre admiradores e pessoas que vão ouvi-la de forma apaixonada. Contudo posso mencionar nomes de músicos como Tchuf, Léla de Maninha, Ti Goy, Frank Cavaquim, Morgadim, Manuel d’Novas (embora natural de Santo Antão), Cesária Évora, Djô d’Eloy, Vlú, Vasco Martins, Dany Mariano, Bau, Hernani Almeida, Constantino Cardoso, Bana, Titina, Hermínia, enfim muitos mesmo.

Como já disse, nomes são muitos. Mas não são apenas os músicos. São produtores como Hernâni Almeida que, ao ajudar músicos mindelenses e praienses, evidencia mais a fama do mindelense, são pessoas como Ofélia que foi dona do tão conhecido Bar Calypso, Dominique Robelin que, nos bons dias do Café Musique deu a oportunidade de muitos músicos subirem ao palco, o Eden-Park, os grupos de carnaval, e todos aqueles que dão importância aos músicos e sua obra e neles acreditam.

Mas, a meu ver há três nomes que, por razões lógicas, mais se destacarão: Manuel d’Novas, Cesária Évora e Vasco Martins.

6.      Ata : Qual é o futuro da música no Mindelo?

 

Neu: O futuro a Deus pertence, mas posso afirmar que a música sobreviverá no Mindelo, para sempre. Teremos que contar sempre com mais músicos, cada vez mais jovens, com outras influências e desejosos de transmitir suas novas experiências. Acredito que haverá novas vozes que far-nos-ão lembrar que somos da terra da Cesária e de outras pessoas de vozes também especiais.

Creio que haverá ainda pessoas interassadas na nossa música como é o caso de Swagato. Vejo ainda pessoas a apoiarem a ideia apresentada pela Edil Mindelense para fazer de tudo para que a Morna seja património mundial. Haverá mais músicos, da Morna ao Rap e os compositires do carnaval (que aumentaram consideravelmente) proliferarão.

Mas não poderemos esquecer que é bom crescer em quantidade mas também em qualidade. Para isso é necessário haver mais workshops e apostar numa educação musical desde o ensino básico. E, para reforçar, o Ministério da Cultura terá que apostar em escolas de música para todas as idades e apoiar a SOCA (Sociedade Cabo-verdiana de Autores). A edilidade mindelense também terá que apostar mais forte neste sentido, numa cidade que sempre se quer como Capital da Cultura.

Acredito que tudo isso é possível e Mindelo vai ser uma cidade em que a música será nossa principal fonte de riqueza e o maior livro da história do nosso povo.

 

7.      Ata : Qual foi a tua inspiração para escreveres a musica de carnaval da Lusófona?

 

Neu: A inspiração vem dessa magnífica cidade e da rede de amizades que consegui construir na ULCV. Apanhei essa mania de aceitar fazer música por encomenda. Já o tinha feito com João Branco para a peça teatral “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá “ de Jorge Amado. A música foi composta por mim e contei com dois amigoa para a interpretação e arranjos – o Nuno Tavares e o Kisó Oliveira, um amigo de infância e grande músico mindelense. Foi um feito muito importante, uma vez que a música foi tocada em todas as rádios, chegando a ser proposta para o Top musical de uma das rádios mindelenses. Desta vez, foi o Dany Monteiro, músico e funcionário da Universidade Lusófona, onde estudo, a convencer-me. Gostei da ideia e teria que pôr mãos à obra consoante o tema que me propôs – a paz. Porém, decidi adicionar a educação e os bons costumes à paz, bebendo um pouco em expressões que hoje quase cairam em desuso como é o caso de “buldónhe” e “bô ca tem ciénça”. Também aproveitei para chamara atenção da inportância de São Vicente para o país.

Mas será também por ouvir tanta música de Carnaval? Talvez seja coincidência, pois fui criado numa casa em que a música era sempre o prato-do-dia. Meu pai fez muitas músicas de carnaval e ganhou por mais que uma vez o prémio da música de carnaval do Instituto Camões, prémio a que fui convidado a fazer parte do júri algumas vezes.

Fiz a música, foi divertido e não me importaria de repetir a dose.

 

publicado por ATA às 22:59

          

 Cesaria Evora;                            Tito Paris ;                                 Biús;

Ver imagem em tamanho real                        Luis Morais; 

              

     Jotamont;                                 Manuel de Novas;                        Léla Violão;

 

               

   Frank Cavakim;                           Vlú;                                                   Ana Firmino;

 

 Alguns dos compositores, cantores, musicos que deram um grande contributo para musica de s.vicente.

publicado por ATA às 22:59

A música no Mindelo

O que é a música?

A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) é uma forma de arte que constitui-se basicamente em combinar sons e silêncio seguindo ou não uma pré-organização ao longo do tempo.

As práticas musicais não podem ser dissociadas do contexto cultural. Cada cultura possui seus próprios tipos de música totalmente diferentes em seus estilos, abordagens e concepções do que é a música e do papel que ela deve exercer na sociedade. 

A música em Cabo Verde

Para falarmos da música em São Vicente, achamos pertinente falar da música em Cabo Verde.

A cultura cabo-verdiana é mestiça, resultado do encontro entre dois povos e suas respectivas culturas: o colonizador português e o escravo africano. Esta dupla influência caracteriza a música crioula. De um lado, a morna e a coladera, cujas melodias denunciam uma ligação europeia mas também latino-americana extramamente forte, e do outro, o batuque e o finaçon, que conservam uma influência africana notória. A música cabo-verdiana inclui ainda géneros ligados à religião (ladainhas, cola San Jon, etc.), cantigas de trabalho (cantigas da monda, cantigas marítimas e pastoril) e cantigas infantis (cantigas de ninar, cantigas de roda, etc.).

Segundo as nossas pesquisas existem poucos registos acerca da evolução da música em Cabo Verde. Sendo a música um veículo de expressão que se manifesta naturalmente no ser humano, seria natural de se esperar que as populações que povoaram Cabo Verde (africanos e europeus) levassem consigo as suas tradições musicais. Mas sobre o momento exacto em que se deu um processo de miscigenação musical, nada se sabe.

Durante a colonização portuguesa, o tipo de música permitido pela administração era sobretudo a música eclesiástica, sendo outras formas de expressão da população relegadas para um contexto um tanto ou quanto clandestino. Essa política de repressão aumentou durante o regime do Estado Novo pela administração portuguesa, por considerar certos géneros como «africanos», e por causa disso, certas formas musicais estiveram à beira da extinção.

Depois da independência, houve um ressurgir desses géneros musicais, mas também novas experiências têm sido feitas conferindo à música cabo-verdiana características diferentes.

Caso particular: Mindelo ( São Vicente)

A música é algo que, nós os ATA, consideramos uma das partes, ou se não, a parte, mais importante da ilha de São Vicente.

Como foi que a música chegou em São-Vicente?

Encruzilhada obrigatória de barcos de todas as nacionalidades, a cidade de Mindelo tornou-se um ponto de encontro de marinheiros de todas as culturas, nos numerosos locais de lazer e de prazer que proliferavam na cidade. Ao longo dos tempos, Mindelo foi-se tornando um centro cultural importante onde o desenvolvimento artístico, nomeadamente a música…

Liberto de quaisquer fantasmas colonialistas que alguns mal intencionados ainda procuram inculcar, o cabo-verdiano orgulha-se das suas origens mestiças e de ser o produto do cruzamento entre naturais da Europa e continentais de África. Mas são, obviamente, mais africanos e detentores de uma cultura e identidades próprias que se reflectem de sobremaneira nas mais diversas manifestações artísticas: a música, onde os melhores intérpretes de «mornas», «coladeras» e «funaná» ganharam já o justo reconhecimento internacional (Cesária Évora, Ildo Lobo, Ana Firmino, Titina, Hermínia, Travadinha (já falecido), entre muitos outros);

O Mindelo tem a fama de acolher as noites mais animadas e os principais pólos de actividade cultural do arquipélago, o que facilmente se comprova em locais como o Café Mindelo, situado num edifício centenário da zona portuária e recentemente recuperado, a Kaza d'Ajinha, junto à Praça Amílcar Cabral, o Café Lisboa, a discoteca Syrius (onde o "hip-hop", o "rap", a "coladeira" e o "kuduro" se sucedem sem danos para a animação) ou o Quiosque da Praça Nova, cuja esplanada permanece repleta até às 2h00.

A casa da cantora Cesária Évora é também um ponto habitual das peregrinações turísticas, embora, do lado de fora, não se veja mais do que as janelas e as paredes de um banalíssimo apartamento. E não se espante se o jantar no restaurante Archote for acompanhado por um belíssimo grupo de mornas.

É, de facto, a música ocupa uma posição de destaque na cultura de São Vicente. Os géneros mais significativos são a morna e a coladera. 

A morna

A morna nasceu na Boavista e só depois foi para as restantes ilhas. Em S.Vicente ela vai evoluir no plano melódico graças a instrumentistas como Luís Rendall que, bastante influenciado pela música brasileira, introduz o choro na música cabo-verdiana. Com a chegada dos cantores, a morna conquista definitivamente as suas letras de nobreza.

Entre os grandes compositores da morna destacam-se Francisco Xavier da Cruz, mais conhecido por B. Leza, Lela d’Maninha, Olavo Bilac, Muchim d’Monte, Sergio Frusoni, Jorge Monteiro "Jotamont", Manuel d’Novas, Ano Nobo, Renato Cardoso e Betu, entre muitos, enquanto que Cesária Évora, Titina, Bana e Ildo Lobo fazem parte dos cantores mais emblemáticos.

A Coladera

Conta-se que era assim que as coisas aconteciam naquela altura em São Vicente: Os pares dançavam, sem parar, as mornas interpretadas pelos músicos. Mas numa determinada altura, provavelmente por causa da lentidão ou movidos pela necessidade de aquecer o ambiente, pediam aos músicos que tocassem mais depressa: «Eh Ti Jon. Transforma-a numa coladera!».

Ao contrário da morna que viajou por quase todo o arquipélago, a coladera fez-se numa única ilha, São Vicente. O surgimento da coladera é resultado do ambiente festivo que ali se vivia ainda.

Nasceu por volta de 1930 ("Ribeira de Paul", a primeira coladera conhecida data dessa época), numa altura em que ainda se conseguia algum sustento na ilha do Porto Grande graças aos navios que por ali passavam. Dos seus impulsionadores destacam-se Gregório Gonçalves, mais conhecido por Ti Goy e Djosa Marques, membro do grupo Ritmos Cabo-verdianos. O primeiro, figura igualmente ligada ao teatro e ao carnaval mindelenses, criou uma coladera popular e o segundo, uma coladera mais erudita. Djack d’Carmo, António Tchitcho e, sobretudo, Manuel d’Novas também desempenharam um papel importante no desenvolvimento da coladera.

Manuel d’Novas desejava fazer uma coladera diferente. Acabou por criar a coladera-parodia. A vida social em São Vicente permitiu-lhe criar uma poesia apropriada durante as horas passadas a bordo de Novas Alegrias, navio que lhe valeu a alcunha. Manuel d’Novas, segundo o sociólogo César Monteiro, tornou-se num observador crítico da sociedade, preocupando-se tanto com o comportamento das pessoas ("Holandeza q’certeza") como da evolução política de Cabo Verde ("Té Monte Cara já gaguejá"). "Quando queres dizer uma coisa, não deves hesitar, seja quem estiver no poder", justifica o compositor.

Alguns músicos do Mindelo

Apontaremos alguns, mas são todos importantes pois todos contribuem para o desenvolvimento da música caboverdiana, são vicentina.

De destacar, a nossa diva dos pés descalsos, Cesária Évora que é reconhecida internacionalmente :

Cesária Évora nasceu no Mindelo e é a cantora cabo-verdiana de maior reconhecimento internacional de toda história da música popular. O género musical com o qual ela é maioritariamente relacionada é a "morna", por isso também recebe o apelido de "Rainha da morna" (mesmo tendo sido bastante sucedida com diversos outros géneros musicais).

O nosso falecido Biús ( músico, cantor, compositor e intérprete crioulo).Biús era um dos mais requisitados artistas da noite mindelense, com actuações semanais "ao vivo” ora no Alta Lua (MindelHotel) ora no Bar Lobby (Hotel Porto Grande). Grande "entertainer", era presença assídua do Festival Baía das Gatas e de grandes espectáculos realizados em S. Vicente, na Praia e vários pontos do arquipélago.

Vasco Martins ( não nasceu no Mindelo, mas contribui para o seu enriquecimento), é um músico e compositor cabo-verdeano. Reside actualmente em Calhau, ilha de São Vicente.

Dentro do panorama musical cabo-verdiano, Vasco Martins pode ser considerado como único. Pode ser considerado como músico classíco devido às suas incursões em música para orquestra sinfónica, mas pode ser também considerado como músico new age devido a composições de carácter instrumental, sobretudo utilizando sintetizadores, mas quer num caso quer noutro, sempre se inspirando na música tradicional cabo-verdiana.

De momento, ele é um dos raros músicos em Cabo Verde cuja principal ocupação profissional reside apenas na música.

Também, não esquecemos de Luís Morais, compositor, flautista, saxofonista e clarinetista, fundador da "Escola Musical do Mestre Luís Morais".

Tito Paris é um músico, compositor e cantor cabo-verdiano, nascido na cidade do Mindelo. Ele é um dos responsáveis pela divulgação da música das ilhas da Morabeza pelo mundo além de uma figura de relevo da comunidade africana na capital.

Não podíamos de forma alguma, falar da música do Mindelo, e não referir duas das festas mais esperadas pelos são vicentinos: O festival da Baía das Gatas, que vem apaixonando a população e os turistas desde 1984. Realiza-se anualmente no primeiro fim-de-semana de lua cheia do mês de Agosto. Começou por ser um encontro de amigos que se reuniam na praia da Baía das Gatas para compor e tocar música. Cresceu de ano para ano, até se tornar num evento musical de referência internacional. Todos os anos chegam músicos de todo o mundo para esta grande festa de música onde obviamente

predominam os ritmos africanos. Para além da actuação de artistas e bandas nacionais e estrangeiras.

O Carnaval, é também uma festa da música em São Vicente, que cresce ano após ano. É de referir Constantino Cardoso e Vlú, grandes compositores e músicos das músicas do Carnaval.

São Vicente é uma ilha que aposta na música para atrair turistas.

Fontes:

http://pt.wikipedia.org

www.youtube.com

www.google.com

 

 

 

 

 

publicado por ATA às 22:58
24 de Fevereiro de 2010

O Carnaval

Conceito e História

O Carnaval é uma época de festas regidas pelo ano lunar no Cristianismo da Idade Média. O período do Carnaval era marcado pelo "adeus à carne" ou "carne vale" dando origem ao termo "Carnaval".

Durante o período do Carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes.

O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX.

A cidade de Paris foi o principal modelo exportador da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nice, Nova Orleans, Toronto e Rio de Janeiro se inspirariam no Carnaval parisiense para implantar suas novas festas carnavalescas.

Como surgiu o Carnaval?

A festa carnavalesca surgiu a partir da implantação, no século XI, da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma.

Esse longo período de privações acabaria por incentivar a reunião de diversas festividades nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas, o primeiro dia da Quaresma.

A palavra "carnaval" está, desse modo, relacionada com a ideia de "afastamento" dos prazeres da carne marcado pela expressão "carne vale", que, acabou por formar a palavra "carnaval".

Em geral, o Carnaval tem a duração de três dias, os dias que antecedem a Quarta-feira de Cinzas.

Em contraste com a Quaresma, tempo de penitência e privação, estes dias são chamados "gordos", em especial a terça-feira (Terça-feira gorda, também conhecida pelo nome francês Mardi Gras), último dia antes da Quaresma. Nos Estados Unidos, o termo mardi gras é sinónimo de Carnaval.

No período do Renascimento as festas que aconteciam nos dias de carnaval incorporaram os bailes de máscaras, com suas ricas fantasias e os carros alegóricos.

Ao carácter de festa popular e desorganizada juntaram-se outros tipos de comemoração e progressivamente a festa foi tomando o formato actual.

De acordo com o modo contemporâneo o carnaval ainda é considerado uma forma de festa bastante tradicional, pois persistiu por vários anos com o mesmo aspecto.

 

No Brasil, o primeiro carnaval surgiu em 1641, promovido pelo governador Salvador Correia de Sá e Benevides em homenagem ao rei Dom João IV, restaurador do trono de Portugal. Hoje é uma das manifestações mais populares do país e festejado em todo o território nacional.

O Brasil é considerado o país com um Carnaval mais desenvolvido e bonito do mundo.

   

     carnaval na Ítalia                         carnaval no Portugal                      carnaval no Brazil 

 O carnaval em Cabo Verde

O Carnaval constitui também uma manifestação cultural implantada em Cabo Verde, com especial incidência nas ilhas de São Vicente, São Nicolau e Sal.

Pelo público que arrasta, tanto nacional como estrangeiro, alguns municípios, como é o caso de São Vicente já o consideram como um dos pólos de atracção turística.

 

Falando de São Vicente, que é o que presenciamos, todos saíram pelas ruas do Mindelo a desfilar desde os jardins até os grupos oficiais.

Para todos, o dia mais esperado, foi, concerteza, a segunda a noite onde o “SambaTropical” desfilou e encantou com a sua coreografia e beleza.

Nós, os ATA, e não só, até a letra já fixamos:

“ …ô baby bem, bem, bem, bem, bem,

      ô baby xkuá, xkuá, xkuá,xkuá, xkuá,

      rabolá, rabolá, rabolá, rabolá rabolá kadêra,

      bem sambá, bem sambá, bem sambá, bem sambá ma mim…”

…heheheheh, e será inesquecível…

No dia 16, saiu quatro grupos oficiais: Flores do Mindelo, que ganhou o primeiro lugar), Sonhos sem Limite, Monte Sossego e Jovens de Monte Sossego…e o dia foi em grande!

   

 Carnaval de S.Nicolau             Carnaval do sal                 Carnaval de S.Vicente

E mais…

As universidades juntaram-se e desfilaram no dia 13 de Fevereiro por volta das 15 horas.

A Universidade Lusófona de Cabo Verde, com um trio maravilhoso, saiu por volta das 20 horas, do mesmo dia, mostrando para a população que tem de tudo: tocadores, cantores, compositores, e claro… BONS DANÇARINOS…

Com o tema PAZ, todos de branco… esperamos que a mensagem ficou bem passada.

Fotos estraidas do blog “www.comunicare2009.blogspot.com”

 

Educação, Amor, paz, nunca ê dmás

Letra e música: Neu Lopes

S´bo catem ciênça, paciênça, dá licença

pa passá d’one c’meste ser buldónhe

concentrá, raciociná

bô sabê bo tem q’esforçá

s’bo entra li bo tem k lutá te fim

 

prendê, prendê, nos lema ê paz,

prendê, prendê, bo ê capaz,

prendê, prendê, isdá Cab Verd cordá

 

Violência nêss lugar catem presença,

ser hôme ô amdjer digno dess sociedade,

fazê soncent sab sem kassi,

gang ca podê bem intra li,

Educação, amor, paz, nunca ê d’más

 

prendê, prendê, nos lema ê paz,

prendê, prendê, bo ê capaz,

prendê, prendê, isdá Cab Verd cordá

 

Cordá Soncent corda

Sempre bo foi pulmão d’ Cab Verde

Nô pssa êss Carnaval sebim

Lusófona ta krê pob na kemim

 

fontes:

http://www.miniweb.com.br

 http://portoncv.gov.cv

http://pt.wikipedia.org

 

 

 

 

 

publicado por ATA às 18:48

video estraido do blog www.comunicare2009.blogspot.com

publicado por ATA às 18:48
14 de Fevereiro de 2010

publicado por ATA às 22:00

Dia dos Namorados

 

O Dia dos Namorados celebra o amor, a paixão entre amantes e a partilha de sentimentos. Todos os anos, no dia 14 de Fevereiro, ocorre a troca de chocolates, envio de postais e de oferta de flores. Muitos casais planeiam jantares românticos, noites especiais e fazem planos para surpreender e agradar à sua «cara-metade».

 

É um dia em que, aqui em Cabo Verde, todos estão preocupados com as prendas e em agradar o companheiro(a).

 

Mas pergunta-se: Como é que chegámos a esse dia? Ou melhor: Porquê dia dos namorados?

 

Os ATA vão tentar voltar na história e fazer-te entender uma história de amor que dá inveja.

 

A História

 

Conta-se que durante o governo, do imperador Cláudio II, na Roma antiga, este proibiu a realização de casamentos em seu reino, com o objectivo de formar um grande e poderoso exército. Cláudio acreditava que os jovens se não tivessem família, alistariam-se com maior facilidade.

 

No entanto, um bispo romano continuou a celebrar casamentos, mesmo com a proibição do imperador. Seu nome era Valentim e as cerimónias eram realizadas em segredo. A prática foi descoberta e Valentim foi preso e condenado à morte. Enquanto estava preso, muitos jovens jogavam flores e bilhetes dizendo que os jovens ainda acreditavam no amor.

 

Entre as pessoas que jogaram mensagens ao bispo estava uma jovem cega: Asterias, filha do carcereiro a qual conseguiu a permissão do pai para visitar Valentim. Os dois acabaram apaixonando-se e milagrosamente a jovem recuperou a visão. O bispo chegou a escrever uma carta de amor para a jovem com a seguinte assinatura: “de seu Valentim”, expressão ainda hoje utilizada.

 

Valentim foi decapitado em 14 de Fevereiro de 270.

 

 

Depois de saberes um pouco de como tudo aconteceu vamos mostrar-te alguns poemas de amor que fizeram e fazem sucessos no mundo do amor.

 

Amor É Fogo Que Arde Sem Se Ver

 

Amor é fogo que arde sem se ver;

É ferida que dói e não se sente;

É um contentamento descontente;

É dor que desatina sem doer;

 

É um não querer mais que bem-querer;

É solitário andar por entre a gente;

É nunca contentar-se de contente;

É cuidar que se ganha em se perder;

 

É querer estar preso por vontade;

É servir a quem vence, o vencedor;

É ter com quem nos mata lealdade.

 

Mas como causar pode seu favor

Nos corações humanos amizade,

Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

 

Luís Vaz de Camões

 

Olhos Negros

 

Por teus olhos negros, negros,

Trago eu negro o coração,

De tanto pedir-lhe amores...

E eles a dizer que não.

 

E mais não quero outros olhos,

Negros, negros como são;

Que os azuis dão muita esp'rança

Mas fiar-me eu neles, não.

 

Só negros, negros os quero;

Que, em lhes chegando a paixão,

Se um dia disserem sim...

Nunca mais dizem que não.

 

Almeida Garrett

 

Hino ao Amor

 

De olhar fixo no pensamento, viajei ao imaginário

Perdi-me no tempo, nas memórias…

Percorri e atravessei a trilha das almas

Ouvi sons de passos que não dei…

Despertei com o estalar do fogo, fogo que só tu sabes atear

O calor que me invade o corpo, envolve-me e unifica-me…

Aumenta em mim uma chama difícil de conter ou dominar

Sinto nascer em mim a sede insaciável…

Desejos secretos não acessíveis a todos os olhares

Envolvida por águas revoltas e macias

Reconheço a ternura das tuas emoções

Embalada pela dor penetrante de um ardente encontro

Sinto-me abraçada pelo som orquestrado de uma pintura com vida

Ouvem-se os ecos da passagem…

Murmúrios audíveis de um grito inquieto

Passível de inflamar as almas

Resgate do amor eterno

Na tela e na vida, atravessei o arco-íris.

 

Susana Silva

 

Os ATA também sabem o que é o romance e vamos dar-te a conhecer uma história de amor, de pessoas que amam desesperadamente e que fazem de tudo para ficarem juntos. Quiçá, possas inspirar….

 

Pedro & Inês de Castro

 

Inês de Castro chegou a Portugal em 1340, integrada como aia no séquito de Constança Manuel, filha de João Manuel de Castela, um poderoso nobre descendente da Casa real Castelhana, que iria casar com o príncipe Pedro, herdeiro do trono Português.

 

O príncipe apaixonou-se por Inês pouco tempo depois, negligenciando a mulher legítima, Constança, e pondo em perigo as débeis relações com Castela. Tentando separar Pedro e Inês, Constança convida Inês como madrinha do seu primeiro filho varão, o Infante Luís (1343), já que de acordo com os preceitos da Igreja Católica de então, uma relação entre um dos padrinhos e um dos pais do baptizando era quase incestuosa. A criança não durou um ano, o que fez aumentar as desconfianças em relação a Inês de Castro.

 

Sendo o romance adúltero vivido às claras, o rei Afonso IV (que havia promulgado leis contra este tipo de situações) manda exilar Inês no castelo de Albuquerque, na fronteira espanhola, em 1344. No entanto, a distância não apagou o amor entre os dois apaixonados e, segundo a lenda, continuavam a corresponder-se com frequência. Em Outubro do ano seguinte, Constança morre ao dar à luz o futuro Fernando I de Portugal, deixando Pedro viúvo e um homem livre. Inês volta do exílio e os dois foram viver juntos para longe da corte, tendo tido quatro filhos: Afonso (morto em criança), João, Dinis e Beatriz.

 

Afonso IV tentou por diversas vezes organizar um terceiro casamento para o seu filho, com princesa de sangue real, mas Pedro recusa tomar outra mulher que não Inês. O velho Rei receava a influência da família de Inês, os poderosos Castro, no seu filho e herdeiro; além disso, o único filho varão de Pedro e Constança Manuel, Fernando, era uma criança frágil, e crescia a insegurança em relação à sua vida para que um dos saudáveis filhos de Inês de Castro pudesse ocupar o trono. A nobreza portuguesa também começava a inquietar-se com a crescente influência castelhana sobre o futuro rei.

 

O rei Afonso IV decidiu então que a melhor solução seria eliminar Inês. Depois de alguns anos no Norte, Pedro e Inês haviam regressado a Coimbra e se instalado no Paço de Santa Clara.

 

A 7 de Janeiro de 1355, o rei cede às pressões dos seus conselheiros, e aproveitando a ausência de Pedro numa excursão de caça, envia Pêro Coelho, Álvaro Gonçalves e Diogo Lopes Pacheco para executar Inês. Os três dirigiram-se ao Mosteiro de Santa Clara em Coimbra, onde Inês se encontrava e degolaram-na. Tal facto, segundo a lenda, terá originado a cor avermelhada das águas que correm nesse local da Quinta das Lágrimas.

 

A morte de Inês fez com que Pedro se revoltasse contra Afonso IV, que responsabilizou pela morte e provocou uma sangrenta guerra civil (nunca foi). A Rainha Beatriz interveio e após meses de luta, a paz foi selada em Agosto de 1355.

 

Pedro tornou-se o oitavo rei de Portugal em 1357. Em Junho de 1360 faz a famosa declaração de Cantanhede, legitimando os filhos ao afirmar que se havia casado secretamente com Inês, em 1354 "...em dia que não se lembrava...". A palavra do rei, e de seu capelão foram a única prova deste casamento. Pedro perseguiu os assassinos de Inês, que tinham fugido para Castela. Pêro Coelho e Álvaro Gonçalves foram apanhados e executados (segundo a lenda, o Rei mandou arrancar a um o coração pelo peito e ao outro pelas costas, e assistiu à execução enquanto se banqueteava). Diogo Lopes Pacheco conseguiu escapar para França, e foi mais tarde perdoado pelo Rei no seu leito de morte.

 

Pedro mandou construir dois esplêndidos túmulos no mosteiro de Alcobaça, um para si e outro para onde trasladou os restos de sua amada Inês. Pedro juntou-se a Inês em 1367, e os restos de ambos jazem juntos até hoje, frente a frente, para que, segundo a lenta "possam olhar-se nos olhos quando despertarem no dia do juízo final".

 

Inês de Castro tornou-se conhecida ao ter a sua história lembrada por Camões no Canto III d' Os Lusíadas, onde faz referência à «...mísera e mesquinha, que depois de ser morta foi rainha...». Foi amante e declarada postumamente esposa legítima de Pedro I de Portugal. A sua desventurada vida e controvertido casamento ainda faz com que historiadores se debrucem sobre o caso, procurando indícios se houve ou não um casamento.

 

Quem também não se lembra de Romeu e Julieta, pessoas que lutam até ao fim e morrem juntos. Uma história encantadora…

 

Tipos de beijo

 

 

Para começar um namoro o fundamental é beijar a boca da pessoa amada. Quem não queria???? Este momento é, sem dúvida o mais esperado.

 

Os ATA mostram três diferentes formas de beijar:

 

Doce

 

A suavidade dos lábios e a ternura dos movimentos são a estratégia principal. Carícias na face e na nuca também são extremamente importantes, porque conseguem derreter qualquer pessoa.

 

Arrebatador

 

Um beijo suave que parece uma mordida nos lábios. As mãos acariciam a nuca e depois a língua toca na área atrás das orelhas. Esta táctica consegue animar qualquer pessoa, porque a sensibilidade das orelhas é altíssima.

 

Apaixonado

 

Estes beijos são adequados única e exclusivamente para momentos super apaixonados. Começa com um beijo de língua simples e vai aos poucos entrando em sintonia, transformando um beijo que seria considerado arrebatador numa ocasião super excitante. E, claro, eles não duram menos que 15 minutos...

 

Os ATA também estão sempre informados…Queres saber como surpreender a tua cara-metade dizendo-lhe que a (o) amas de línguas diferentes? …

 

Alemão - Ich liebe dich

Chinês - Ngo oiy ney a

Espanhol – Te quiero / Te amo

Francês – Je t'aime, Je t'adore

Grego – S'agapo Holandês – Ik hou van jou

Inglês – I love you Italiano – Ti amo

Japonês – Aishiteru Marroquino – Ana moajaba bik

Russo – Ya tebya liubliu

 

Por fim terminámos, sempre, em clima de romance, deixando umas frases para surpreender aquela pessoa…

 

• Amar alguém é ser o único a ver um milagre invisível para outros. (Mauriac)

 

• O amor vence tudo – Omnia vincit amor (Virgílio)

 

• A medida do amor é não ter medida. (Santo Agostinho)

 

• O inferno é já não amarmos. (Georges Bernanos)

 

• Não ser amado é uma simples desventura. A verdadeira desgraça é não saber amar. (Autor desconhecido)

 

• Quando o amor enche o coração, não deixa nele lugar para mais nada. Nem para o ódio, nem para o rancor, nem para o orgulho. (José Mallorqui)

 

• Um homem tem a idade da mulher a quem ama. (Provérbio chinês)

 

• O amor por uma pessoa deve incluir os corvos do seu telhado. (Provérbio chinês)

 

• Amar não é mais que morrer em si para renascer no outro. (Autor desconhecido)

 

Obrigada pela atenção… Continuação de um óptimo dia dos namorados… e que sejas um bom namorado(a) todos os dias!!!

 

 

 

 

       

 

Fontes:

http://diadosnamorados.kazulo.pt/2839/frases-de-amor.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Valentim

http://diadosnamorados.kazulo.pt/2771/historia-de-sao-valentim.htm

 

ATA

publicado por ATA às 21:24
08 de Fevereiro de 2010

Já começaram os ensaios para o Carnaval da Universidade Lusófona 2010.

No próximo sábado, dia 13 de Fevereiro, às 18 horas, não perca a animação nas ruas de Morada que a   Lusófona vai dar-te com o tema PAZ. Venha e não vais arrepender-te.

 

publicado por ATA às 16:42

publicado por ATA às 23:07
07 de Fevereiro de 2010

Mayra Andrade é uma cantora cabo-verdiana reconhecida como uma das mais promissoras da música deste país.

 

Nasceu em Cuba no ano de 1985, cresceu entre Senegal, Angola, Alemanha e ainda Cabo Verde, mas vive em Paris desde 2003, onde em Janeiro de 2004 se apresentou num dos mais consagrados bares de lançamento de artistas do Word Music.

 

As primeiras canções que ouve são brasileiras, mas é com uma canção em crioulo que ganha a medalha de ouro nos Jogos da Francofonia, no Canadá, com apenas dezasseis anos. A partir de 2002 inicia apresentações na Praia (Cabo Verde) e no Mindelo, e logo depois em Lisboa, e finalmente em França, onde passa a habitar. Após participar nos festivais de Verão portugueses, faz a primeira parte de um espectáculo de Cesária Évora e, no Brasil, colabora em duetos com Lenine e Chico Buarque. Em 2005, Charles Aznavour convida-a para o seu novo álbum, num dueto em francês.

 

Em 2008 repete o feito de Mariza, ao vencer o prémio BBC Rádio 3 World Music na categoria Revelação. Já colaborou, entre outros, com Cesária Évora, Chico Buarque, Caetano Veloso, Charles Aznavour, Mariza e João Pedro Ruela.

 

No seu primeiro álbum intitulado “Navega” podemos encontrar uma colectânea de canções que são fundamentadas na música tradicional da sua terra natal, alimentadas por diferentes estilos musicais e cores.

 

Depois, no segundo álbum “Stória, Stória…” conta muitas histórias sobre a vida do dia-a-dia, a vida em geral, e de amor.

 

Segundo Mayra a sua música constitui “ um cruzamento musical, um estilo ‘ilegítimo’…Em Cabo Verde, as pessoas são naturalmente mestiças…Se olharmos bem para a música cabo-verdiana vemos uma forte ligação com a música brasileira…Mas não acho que este álbum “Stória, Stória…” é mais brasileira que o primeiro…” (Www.mayra-andrade.com) defende a cantora que diz ter ouvido muitas músicas brasileiras quando pequena.

 

Mayra procura criar as suas próprias sonoridades incluindo sempre e de forma abrangente os vários estilos musicais do país, “ mais do que uma cantora de Cabo Verde sou, acima de tudo, uma cantora. A música sempre fez parte de mim. Se me apetecer misturar músicas cabo-verdianas, com outros sons e influências, acredito que posso fazê-lo.” (Www.mayra-andrade.com)

 

Uma cantora que tem tudo e que dá tudo no palco para impressionar-nos e seduzir-nos com a sua linda e rara voz.

 

E, de facto é de jovens como ela que o nosso país precisa. É isso que admira ao ATA nessa cantora: a vontade de fazer melhor e o poder mostrar que pode fazer melhor.

 

A Mayra Andrade é sem dúvida um exemplo que os ATA querem seguir.

 

Fonte: Www.mayra-andrade.com

            www.wikipedia.org

publicado por ATA às 22:55
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
arquivos
2010
2009
Posts mais comentados
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
links
últ. comentários
Participa nos desafios SAPO e ganhe prémios! Mais ...
Acho que partilhar a vossa experiência como univer...
blogs SAPO